8 x André Téchiné na Cinemateca Capitólio

11202607_442150059286478_3497032874592871771_n

Foto: Juliete Binoche em RENDEZ-VOUS

Programação de 12 a 24 de maio de 2015

A Cinemateca Capitólio exibe a mostra 8x André Téchiné, com oito filmes de um dos mais importantes realizadores franceses. A mostra é uma realização da Coordenação de Cinema, Vídeo e Fotografia e da Vai & Vem Produções Culturais, com apoio da Embaixada da França no Brasil e o Consulado da França em São Paulo. Os ingressos custam R$ 10. Durante a semana, entre os dias 12 e 15 de maio, os filmes Cuba Libre e Era uma Vez na Anatólia serão exibidos durante a tarde. Veja a programação completa no final do texto.

8 x André Téchiné – A primeira grande mostra da Cinemateca Capitólio apresenta obras célebres como Hotel das Américas (1981), Rendez-vous (1985) e Rosas Selvagens (1994) em cópias em 35mm. Na quarta-feira, 20 de maio, após a sessão deAs Testemunhas (2007), acontece um debate com o crítico e pesquisador Luiz Carlos Oliveira Jr, autor do livro A Mise En Scène no Cinema – do Clássico ao Cinema de Fluxo.

Cineasta francês, iniciou sua carreira como diretor cinematográfico em 1967 com o filme Paulina s’en va (que seria lançado apenas em 1969). É apenas, contudo, a partir de 1975, ano de seu segundo longa-metragem, que sua carreira vai de fato deslanchar e alcançar uma continuidade regular. Vindo da crítica, com passagem pelos Cahiers du Cinéma, o jovem faz parte de uma geração de cineastas que se lança na profissão num momento em que a Nouvelle Vague, maior movimento cinematográfico surgido na França do pós-guerra, já havia atingido certo esgotamento e se desmembrado em diversas subtendências. Nomes como Benoît Jacquot, Chantal Akerman, Jacques Doillon e o próprio Téchiné se engajam na profissão trazendo, a partir dos anos 1970, um novo fôlego ao cinema jovem francês que, alguns anos antes, já havia ganhado o reforço de uma geração que trouxe à cena nomes cruciais como Maurice Pialat, Philippe Garrel e Jean Eustache.

Mais de 40 anos depois de sua estreia, Téchiné é um dos mais reconhecidos cineastas franceses ainda em atividade. Dono de uma obra relevante realizada praticamente em fluxo contínuo, ele acumula em sua carreira mais de duas dezenas de longas-metragens. Nas últimas décadas, Téchiné lançou uma média de um filme a cada dois anos, o que, para além do sucesso de crítica que seus filmes sempre alcançaram, confirma igualmente seu talento, revelado ainda muito cedo, para travar fértil diálogo com o público.

No Brasil, sua obra recente não é totalmente desconhecida do público cinéfilo. Porém, o que este evento propõe é colocar em perspectiva toda a sua carreira sob a forma de uma homenagem, focando principalmente em filmes menos recentes, sobretudo das décadas de 1970 e 1980, pontos altos da carreira do diretor e que são menos óbvios para o público brasileiro.

André Téchiné e sua obra – Dez anos após a eclosão da Nouvelle Vague, a geração que começa a fazer filmes no final da década de 1960 já não tem mais um grande inimigo a atacar (“o cinema de qualidade francês”), a revolução da modernidade no cinema já estava feita. É neste momento justamente que a Nouvelle Vague não passará incólume à uma revisão crítica. Os novos cineastas surgidos da ressaca do cinema moderno não verão mais no naturalismo um valor incontornável. Assim, os primeiros filmes de Téchiné são marcados pela busca de uma mise-en-scène antinaturalista guiada pela suas referências teatrais, principalmente no que se refere ao jogo dos atores. Segundo ele, sua relação com os atores no início era excessivamente teórica e será completamente transformada a partir de seu encontro com Catherine Deneuve, em Hôtel des Amériques (1981), seu quinto filme que traz ainda Patrick Dewaere em grande atuação.

O trabalho com os atores é algo notável na obra de Téchiné; seus filmes são marcados por personagens fortes, além do que, suamise en scène certamente exige por parte daqueles que os interpretam grande entrega. Assim, desde muito cedo, o cineasta começa a contar com grandes nomes do cinema francês em seus longas; o trabalho com grandes atores acaba invariavelmente se tornando uma de suas principais marcas. Entre aqueles com quem trabalhou, estão Bulle Orgier (Paulina s’en va, 1969), Jeanne Moreau e Marie-France Pisier (Souvenirs d’en France, 1975), Gérard Depardieu (Barocco, 1976) Isabelle Adjani e Isabelle Huppert (Les soeurs Brontë, 1979), Patrick Dewaere (Hôtel des Amériques, 1981), Sandrine Bonnaire e Jean-Claude Brialy (Les innocents, 1987), Emmanuelle Béart (J’embrasse pas, 1991 e Les témoins, 2007), Daniel Auteil (Ma saison préférée, 1993 e Les voleurs, 1996), Juliette Binoche (Rendez-vous, 1985 e Alice e Martin, 1998), Gérard Depardieu (Les temps qui changent, 2004) e Catherine Deneuve, sua musa em diversos filmes.

Em 1979, com seu terceiro filme, Les soeurs Brontë (1979), Téchiné é pela primeira vez indicado à Palma de Ouro no Festival de Cannes, um feito que se repetiria outras cinco vezes. Ainda em 1985, ele ganha o prêmio de melhor direção por Rendez-vous, um filme sensorial, ainda bastante centrado na força e na presença dos personagens e no potencial destrutivo da relação entre eles, um tema que já havia sido brilhantemente explorado em Hôtel des Amériques, seu longa anterior, e que persistirá na obra do cineasta, sendo também o tema principal de seu último filme L’Homme qu’on aimait trop (2014).

A partir da segunda metade dos anos 1980, a obra de Téchiné começa a ganhar ingredientes mais pessoais, o que acompanha seu processo de maturidade artística, e ganham também em refinamento narrativo; suas histórias tornam-se mais complexas e os personagens, mais numerosos. Seu filme mais pessoal (e um dos mais premiados) é sem dúvida Les Roseaux sauvages(1994), inicialmente pensado para ser um telefilme de baixo orçamento, mas que acabou sendo lançado nos cinemas e alcançou um sucesso estrondoso de público e crítica.

Os filmes

Barroco, o Jardim do Suplicio
(Barocco, França, 1976, 105′)
Com Isabelle Adjani, Gerard Depardieu, Marie-France Pisier, Jean-Claude Briali, Hélène Surgère

Terceiro longa-metragem realizado por André Téchiné. Samson, um lutador de boxe (Depardieu), tem informações que podem acabar com a carreira de um conhecido político cuja candidatura às eleições presidenciais será lançada nos próximos dias. A fim de impedir que essas revelações venham à tona, o partido do candidato suborna Samson e impõe como condição que ele deixe o país imediatamente com sua namorada (Adjani). Exibição em Blu-ray / Legendagem eletrônica em português

As irmãs Bronte
(Les soeurs Brontë, França, 1979, 115′)
Com Isabelle Adjani, Marie-France Pisier, Isabelle Adjani, Marie-France Pisier, Isabelle Huppert, Pascal Greggory, Hélène Surgère

O filme se inspira na vida das irmãs Bronte, Emily, Charlotte e Anne. As três cresceram numa pequena propriedade no interior da Inglaterra, sob uma rígida educação protestante. Muito cedo, elas vão começar a desenvolver aptidão para a literatura e, sob pseudônimos, publicam obras que alcançam grande sucesso, entre elas, o grande clássico da literatura inglesa O morro dos ventos uivantes. Suas vidas, no entanto, foram marcadas pela fatalidade. Exibição em 35mm.

Hotel das Américas
(Hôtel des Amériques, França, 1981, 95′)
Com Catherine Deneuve, Patrick Dewaere, Etienne Chicot, Sabine Haudepin

Filme chave na carreira de Téchiné por marcar sua virada em direção a um cinema de mise-en-scène mais realista. É também sua primeira colaboração com a atriz Catherine Deneuve. Determinada noite, Hélène (Deneuve), uma médica anestesista, atropela Gilles (dono de um hotel decadente em Biarritz). Sob o signo do acaso, uma intensa relação tem início. Exibição em 35mm.

Rendez-vous
(França, 1985, 87′)
Com Juliette Binoche, Lambert Wilson, Wadeck Stanczak, Jean-Louis Trintignant, Jacques Nolot

Em seu primeiro grande papel no cinema, Juliette Binoche vive uma aspirante a atriz recém-chegada a Paris. Ao buscar um apartamento para alugar na cidade, ela conhece o agente imobiliário Paulot (Stanczak). Este encontro desencadeará uma série de fatos que começarão a movimentar a vida da jovem não apenas no plano profissional, mas também afetivo. Exibição em 35mm.

O Local do Crime
(Le lieu du crime, França, 1986, 90′)
Com Catherine Deneuve, Danielle Darrieux, Wadeck Stanczak, Jacques Nolot, Nicolas Giraudi

Numa cidadezinha do interior da França, Thomas (Giraudi), um adolescente de 14 anos, encontra Martin (Stanczak), um criminoso em fuga que pede dinheiro para deixar o garoto em paz. Thomas fará de tudo para dar aquilo que Martin exige, porém o desenrolar desta história não será como planejado. Em particular, os rumos da trama tomam caminhos inesperados a partir do momento em que Martin encontra a mãe de Thomas, Lili (Deneuve). Exibição em 35mm.

Rosas selvagens
(Les roseaux sauvages, França, 1994, 110′)
Com Élodie Bouchez, Gaël Morel, Stéphane Rideau, Frédéric Gorny, Michèle Moretti, Jacques Nolot

Filme de baixo orçamento pensado primeiramente como episódio de uma série televisiva chamada Tous les garçons et les filles de leur âge, mas que, posteriormente, foi transformado por Téchiné em um longa-metragem e lançado nos cinemas. Considerado um dos mais belos filmes do diretor, esta obra possui também alguns elementos autobiográficos. O local (sudoeste da França) e o período do filme (início dos anos 1960) são exatamente aqueles em que o próprio Téchiné viveu sua adolescência. François (Morel), Serge (Rideau) e Henri (Gorny) são três jovens que estudam na mesma escola e que começam a se deparar com os primeiros impasses da vida. As questões amorosas, assim como diferenças relativas a visões de mundo divergentes terão lugar tendo como pano de fundo o tenso contexto marcado pela guerra da Argélia. Exibição em 35mm.

Os Ladrões
(Les Voleurs, França, 1996, 117′)
Com Catherine Deneuve, Daniel Auteuil, Laurence Côte, Benoît Magimel, Fabienne Babe, Didier Bezace

A morte de Ivan (Bezace) trará à tona não apenas os negócios escusos com os quais ele estava envolvido, mas também todo o desconforto da relação entre seu irmão, o policial Alex (Auteuil), e o resto da família. Mergulhando no caso da morte do irmão, Alex chegará à Jimmy (Magimel), parceiro de Ivan e também irmão de Juliette (Côte), jovem atraente com quem o policial passa a ter uma relação no curso das investigações. Exibição em 35mm.

As testemunhas
(Les Témoins, França, 2007, 112′)
Com Michel Blanc, Emmanuelle Béart, Sami Bouajila, Julie Depardieu, Johan Libéreau

Desde que conhece o jovem Manu (Libéreau), o médico Adrien (Blanc) fica completamente apaixonado. Manu porém prefere preservar a relação apenas no nível da amizade. Adrien apresenta-o então à sua melhor amiga, Sarah (Béart), que acabou de ter um filho e vive uma relação aberta com o marido (Bouajila). Passado em meados dos anos 1980, o filme tem como contexto o momento da descoberta e disseminação da Aids na Europa. Exibição em 35mm.

Programação de 12 a 24 de maio de 2015

Terça-feira, 12
15h – Cuba Libre
16:30 – Era uma Vez na Anatólia

Quarta-feira, 13
15h – Cuba Libre
16h30 – Era uma Vez na Anatólia
19h30 – Festival Escolar de Cinema (Sessão Fechada)

Quinta-feira, 14
15h – Cuba Libre
16h30 – Era uma Vez na Anatólia
20h – A Música de Gion, de Kenji Mizoguchi (entrada franca)

Sexta-feira, 15
15h – Cuba Libre
16h30 – Era uma Vez na Anatólia
20h – Hotel das Américas

Sábado, 16
17h – Rosas Selvagens
19h – As Irmãs Brontë

Domingo, 17
15h – Os Ladrões
17h – Rendez-vous
19h – O Local do Crime

Terça-feira, 19
20h – Os Ladrões

Quarta-feira, 20
20h – As Testemunhas + debate com o crítico Luiz Carlos Oliveira Jr.

Quinta-feira, 21
20h – As Irmãs Brontë

Sexta-feira, 22
20h  – Projeto Raros: Barroco, o Jardim do Suplício (Sessão na Sala P. F. Gastal/Usina do Gasômetro)

Sábado, 23
15h – O Local do Crime
17h – Rosas Selvagens
19h –  Rendez-vous

Domingo, 24

17h – As Testemunhas
19h – Hotel das Américas

Outras informações
Sala P. F. Gastal
Coordenação de Cinema, Vídeo e Fotografia
Av. Pres. João Goulart, 551 – 3º andar – Usina do Gasômetro
Fone: 3289-8133

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s